segunda-feira, março 26, 2007

Prender-te a mim…


Se eu te der o meu coração numa bandeja envolto ainda em pontos por alguém que já o magoou, será que não o vais partir outra vez? Promete-me que não… Deixa-me dar-te o meu coração que esta noite tanto precisa de alguém fique com ele. Pode ser só hoje, só esta noite, apenas umas horas enquanto a noite brinca com as estrelas e eu brinco com os cabelos do teu peito. E amanhã tudo seria igual e é como se tudo não tivesse passado de um sonho e se pode até esquecer.
Deixa-me contar-te histórias ao ouvido, deixa-me rir da tua cara de puto quando acordas de manhã, deixas-me acreditar que por momentos és o meu chão mesmo que depois me deixes cair. Deixa-me voar no teu colo, no teu beijo, na tua mão. E aperta-me com força, com medo de me perder.
Se eu te der o meu coração, será que mo vais roubar e devolver partido como outrora já alguém fez? Essa sede de viver, essa liberdade exagerada que procuras, o medo de te prenderes às estrelas porque a Lua vive presa no céu, não te deixa tempo para me agarrares e teres medo de me perder…
Porque esta noite precisava que fosses o meu chão e me deixasses brincar com os cabelos do peito, porque esta noite gostava que fosses só meu e de mais ninguém. Porque esta noite apetecia-me esquecer a liberdade e prender-te a mim, porque hoje preciso e sei que no fundo tu também…


Mpalma
1-03-2007
Foto: self_prepared_heart__by_plectrude

1 comentário:

Patrícia disse...

Às vezes esqueço-me de como o amor pode ser bonito. De como ele nos leva a sentir, a pensar e a dizer as coisas mais lamechas (sim, é verdade, e depois?) e mais belas que sabemos. E esqueço-me de como ele, afinal, até é capaz de nos fazer feliz.

A vida é feita de riscos. É estar contente num momento e logo depois deixar cair as lágrimas. Mas é melhor passar por uma e por outra do que, simplesmente, não se passar nada. É como se deixasse de existir.

Gostei assim mesmo muito do texto. Palavras que fazem a delicia de quaisquer olhos. (=

Um beijinho * em ti