quarta-feira, novembro 01, 2006

Foi preciso...

Talvez tenha sido mesmo cega por não ter visto que não valia a pena. Talvez...
Mas talvez pela primeira vez tenha lutado por alguma coisa. Talvez...
Nem sei já o que é bom ou mau. Perdi a noção do mundo, do ser, do sentir.
Apaguei. Desliguei.
Fiz como tu.
Virei a página e hoje já não és a personagem principal na novela que é a minha vida. Nem tens direito a papel secundário. Hoje és mero figurante...
dói dizer, mas dói muito mais sentir.
No final, quebramos os dois...
E foi preciso matar-me mil vezes para continuar a amar-te.


27/10/2006

3 comentários:

Å®t_Øf_£övë disse...

Mafalda,
Está cheia de sentimento o que tu aqui escreveste para alguém que amaste muito. A vida é mesmo assim, feita de momentos de felicidade, e outros nem tanto...
Mas o importante da vida é amar sem condicionalismos como tu fazeste, mesmo que esse amor não seja o ideal. O importante é amar assim, porque quem escolhe quem amar, nunca sente o amor verdadeiramente, e provavelmente nunca vai saber o que é amar de verdade.
Vais ver que quando menos esperares vai encontrar alguém a quem te possas entregar novamente, e sentir o amor na sua plenitude.
Bjo.

meialua disse...

Bonito e bem verdadeiro. Gostei de te ler.

Patrícia disse...

"Dói dizer, mas dói muito mais sentir.
No final, quebramos os dois..."

Porque há sempre um final à nossa espera. E, insistentemente, não é um dos felizes.
Bom trabalho com o teu blog, gostei (= Beijinho *