terça-feira, junho 06, 2006

Monólogo entre eu e eu

Gostas de mim...?
Sim, gosto de ti! Que queres que te diga mais...? Gosto e pronto!

Como é que sabes?
Não sei exprimir em palavras, apenas sinto. Sinto a falta que me faz a tua voz de manhã, a falta que me faz o teu beijo, a tua mão na minha, os teus mimos. A falta que me faz aqueles nossos momentos onde ficavamos horas a conversar e a fazer planos, a sonhar... Faltas-me tu e tudo o que me davas. Teóricamente é isso, mas na prática é muito mais, não existem palavras que possam exprimir porque te amo nem como sei que te amo. Simplesmente sei e simplesmente sinto.

Porque?
Não sei... à parte de me fazeres rir, de me fazeres feliz, de me fazeres sentir bem e realizada, amada e acarinhada, não sei.

Porque não me esqueces?
Porque é impossivél, porque já tentei e nada... Porque és único, porque não consigo esquecer-me de tudo o que vivemos, de todas as coisas boas que proporcionamos um ao outro. De todas as palavras, gestos de carinho, momentos que passamos juntos, juras de amor, planos, promessas... Porque és demasiado importante e especial para mim, porque fazes parte de mim, porque tenho escrito o teu nome no coração e na cabeça. Porque me aturas-te sempre com um sorriso nos lábios, porque me fazes sorrir como uma tola, porque me destes coisas que ninguém nunca me soube dar. Porque sempre me apoias-te e secas-te as lágrimas, sempre me deste o teu colo e me fizes-te esquecer do mundo. Porque sempre demos a volta por cima juntos, porque apesar da distância tu estavas aqui e eu contigo, sempre. Porque ainda não acredito e não quero acreditar que acabou.

Porque é que acabaste comigo se me amas assim tanto?
Porque estava confusa, porque sempre te disse que nunca consegui estar tanto tempo parada num sitio, porque a minha vida deu voltas e voltas e eu não te tinha aqui para me apoiar, porque me perdi de mim mesma. Porque nem tudo corria bem, porque sabes que tantas vezes te disse a mesma coisa e tantas vezes de nada resultou, porque me sentia cansada. Porque não sabia como agir, o que pensar, sentir... Porque achei melhor desistir e deixar de acreditar em nós. Porque por vezes é preciso perder para se dar o valor, e apesar de tudo perder-te só me fez ver o quanto te amo e o quanto és importante para mim.

Porque me afasta-te de ti?
Não sei, estava confusa. Não sabia como agir, afastava-te em vez de te contar tudo o que se passava na minha cabeça e na minha vida. Fazia exactamente o contrário do que queria... e o que queria era ficar só nos teus braços e esquecer-me do mundo...

O que mudou agora?
Mudou que tenho mais certezas que nunca que és tu aquele, aquele que me prendeu com um beijo. Que és tu o meu principe encantado das histórias da Cinderella que lia em miuda, e mudei eu que acredito que és a minha metade, que me completas, que sinto a tua falta como do ar quando me falta. Que és parte de mim e que sem ti nada faz sentido. Que posso percorrer o mundo há procura de alguém parecido contigo mas serás sempre tu, só tu, aquele. E mudas-te tu... talvez para melhor, não sei.

Achas que daria certo agora?
Não sei, mas aprendi contigo a tentar, a deixar as dúvidas de lado. Acho também que agora mais que nunca poderia resultar, porque crescemos, porque... porque te amo e tenho esperanças que ainda me ames, porque acho que também não me consegues esquecer e porque o que nos uniu foi forte demais para ser esquecido tão rápido e tão facilmente. Porque hoje sei que nunca te voltaria a perder por tolices quando sei que tu me apoiarias em tudo e me compreenderias e porque hoje sei que a distância nem sempre tráz o esquecimento.

Não sei... Secalhar não resultaria. Deixei eu de acreditar!
Tens motivos para isso, e talvez agora me compreendas. Mas diz-me, quantas vezes me pediste para tentar? Quantas? Quantas vezes me disses-te para esquecer, para sermos felizes e apagar as dúvidas? Nem sempre consegui, mas sempre tentei! Quantas vezes me fizes-te acreditar apenas com uma palavra, um gesto ou um olhar? E diz-me... porque desistir agora? Já fomos tão longe, já vimos que não conseguimos esquecer. Já ultapassamos tanta coisa! Acredita comigo como eu tantas vezes acreditei contigo..!

Não sei...
Eu sei que não sabes... Mas eu também pouco sei e o que sei é que te amo e estou disposta a tentar, que vou esperar o tempo que for preciso até tu saberes, que vou ficar aqui hà tua espera como te prometi, porque nunca te vou esquecer, simplesmente porque é impossível e porque te amo demais para isso.




*Converso comigo mesma no silêncio da noite, tentanto entrar na tua cabeça e formular repostas. Sonho contigo e com o final desta conversa. Será que respondi às tuas perguntas? Será que te fiz crer que estou mesmo arrependida? Não sei... Tenho medo de te perguntar porque tenho medo da resposta. E tenho saúdades tuas..! Será que voltas um dia ou será que já tens outra pessoa?
Se o arrependimento matasse, eu já estava mortinha meu amor..!*

3 comentários:

Lenix disse...

AMEI!!! mnha coisa mais linda e kida.. bgd por td.. continua com este talento nato a escrever... jks ffx GostO.TE!

Anónimo disse...

gotei...tens 1 gand talento pa escrever...nas tuas palavras sente-se o poder du coração..numka deixes d escrever..tns mt talento..i as tuas palavras..tm mt sabedoria...

Anónimo disse...

perfeito!